Portugal | Um dia em Sintra

Sintra é um daqueles lugares que você consegue conhecer se fizer um bate e volta de Lisboa. É possível chegar até lá de trem ou comboio, como eles chamam. O comboio sai da Estação do Rossio e você pode comprar o seu bilhete na estação mesmo. Como alugamos um carro para o período todo que estávamos em Portugal nós fomos de carro mesmo. A cidade fica a 25km de Lisboa. Na área central de Sintra todos os lugares possuem parquímetro e as vagas são limitadas então chegar cedo é uma opção para quem for de carro.

Nós acabamos chegando cedo demais e tivemos que esperar um pouco até que o Palácio Nacional abrisse. Enquanto isso fomos tomar café e nos arrependemos de não ter comido em Lisboa. O preço do café com pão foi muito maior do que o “normal” que estávamos acostumados e ainda por cima a qualidade deixou a desejar. Bom, infelizmente lugares muito turísticos tem dessas coisas.

O lindíssimo Palácio Nacional de Sintra

Ás 09h30 quando o Palácio Nacional de Sintra abriu nós já estávamos com os bilhetes comprados para a visita. O palácio tem origem mourisca e a primeira modificação que se tem conhecimento foi em 1281 quando D. Dinis era rei de Portugal. Outras alterações foram feitas mas desde o séc XVI ele mantém as características que se veem hoje. O palácio é impressionante. Mais uma vez a arquitetura e a preocupação com os detalhes nos chamaram a atenção. Uma das salas mais bonitas é dos brasões, com dezenas deles pintados no teto. Também merece destaque a Capela Palatina, com o teto todo entalhado em madeira e decoração geométrica formando estrelas e composições radiais. Mas o palácio tem diversos cômodos e com certeza algum deles irá te surpreender.

O Palácio Nacional de Sintra é uma das primeiras coisas que você verá quando chegar na cidade. Aquelas duas chaminés enormes saem diretamente da cozinha.
O Palácio Nacional de Sintra é uma das primeiras coisas que você verá quando chegar na cidade. Aquelas duas chaminés enormes saem diretamente da cozinha.
As casinhas de Sintra vistas de dentro do Palácio Nacional
As casinhas de Sintra vistas de dentro do Palácio Nacional
Capela Palatina decorada com influência mourisca
Capela Palatina decorada com influência mourisca
Uma das salas que mais gostamos no Palácio, Sala dos Brasões
Uma das salas que mais gostamos no Palácio, Sala dos Brasões

A maluca Quinta da Regaleira

Saindo dali fomos para a Quinta da Regaleira. Deixamos o carro estacionado e fomos a pé mesmo para não perder a vaga. É uma caminhada de menos de 1 km, não muito difícil. A Quinta da Regaleira era uma propriedade privada que começou a tomar a forma que se conhece hoje em 1893 quando Antonio Augusto de Carvalho Monteiro a comprou. A construção da Capela e do Palácio em estilo manuelino foram comandadas pelo arquiteto Luigi Manini. Se você tem algum interesse por arquitetura pesquisa esse cara no google pra ver os seus projetos. Ele desenhava tudo, desde a estrutura até as maçanetas e é por isso que tanto o palácio quanto a capela são extraordinários. Mais uma vez quase ficamos com torcicolo de tanto olhar para o teto das salas, quase todos esculpidos em madeira.

Os jardins e o Poço Iniciático

Além das construções belíssimas os jardins da Quinta da Regaleira trazem uma atmosfera mágica e enigmática. Há vários caminhos subterrâneos, torres e escadas que ligam um jardim a outro e o ápice de toda essa atmosfera misteriosa é o Poço Iniciático. São 27 de torre invertida que afunda para o interior da terra intensificando a relação Terra e Céu. Literalmente no fundo do poço você poderá sair por túneis escuros até uma pequena cascata. Confesso que deu um medinho andar lá por baixo, ainda mais quando o guia de um casal pediu que todos desligassem as lanternas para sentir a escuridão. Muito Louco!!! Se você quiser poderá perder quase um dia inteiro nos esconderijos do jardim. Nós fomos um pouco mais rápidos já que ainda tínhamos que visitar o Palácio da Pena.

Tesouros da Quinta da Regaleira, a esquerda a capela e a direita o Palácio
Tesouros da Quinta da Regaleira, a esquerda a capela e a direita o Palácio
Detalhe do teto de uma das salas do palácio da Quinta. Quem é que tem tanto trabalho assim pra decorar o teto??
Detalhe do teto de uma das salas do palácio da Quinta. Quem é que tem tanto trabalho assim pra decorar o teto??
Os desenhos do arquiteto Luigi Manini são incríveis. Esse desenho é da "maçaneta" da porta.
Os desenhos do arquiteto Luigi Manini são incríveis. Esse desenho é da “maçaneta” da porta.
O poço iniciático é um dos mistérios da Quinta da Regaleira. Depois de passar por alguns túneis você chega a essa cascatinha
O poço iniciático é um dos mistérios da Quinta da Regaleira. Depois de passar por alguns túneis você chega a essa cascatinha

A famosa Piriquita

Antes de subir até lá passamos na Casa Piriquita. O travesseiro da Casa Piriquita é quase tão famoso quanto o Pastel de Belém, mas não achei graça nesse doce de massa folhada, ovos, amêndoas e açúcar cristal, Mas se quiser experimentar a Casa Piriquita foi fundada em 1862 é tem muita experiência. Se não gostar desse aqui talvez não goste mesmo, como nós.

Ruazinha de Sintra
A esquerda fica a famosa Casa Piriquita que vende os travesseiros que não gostamos
Não gostamos do travesseiro da Piriquita. Pastéis de Nata são nossos preferidos
Não gostamos do travesseiro da Piriquita. Pastéis de Nata são nossos preferidos

Mas vamos voltar ao Palácio da Pena. Dessa vez não fomos a pé, mas se quiser vai encontrar algumas companhias pelo caminho. Serão aproximadamente 45 minutos de caminhada segundo o guia de trilhas de Sintra. De carro o trajeto é bem mais rápido e tivemos sorte de conseguir estacionar bem próximo a entrada do parque. Você poderá comprar entrada apenas para o parque ou para o parque e palácio. Veja os valores aqui.

O Palácio da Pena me pareceu o Beto Carrero

Apesar de ter muita coisa para ver ao redor do Palácio não conseguimos explorar muito pois dei uma de principiante e coloquei uma bota nova e meus pés estavam reclamando. Andamos pelos jardins o estritamente necessário para chegar ao Palácio e é uma subida considerável. Minha primeira impressão quando cheguei lá é que estava entrando no Beto Carrero. Acho que foram as cores das paredes. É bem estranho olhar um Palácio todo colorido, parece que é de brincadeira. É uma grande mistura de estilos que dá um ar divertido ao Palácio.

Lá dentro, continua a “misturança” de elementos e percebe-se a influência mourisca. Até que gostei. Pela primeira impressão que tive da parte de fora a parte interna me surpreendeu. O Salão Nobre é lindo. Inicialmente foi pensado para ser a Sala dos Embaixadores mas depois, com a morte da rainha D. Maria II, foi transformado em sala de bilhar. Há outras salas lindas mas não vou me apegar a detalhá-las aqui. Um passeio em volta das muralhas do Castelo é legal pra ter uma visão incrível da cidade de Sintra e do Castelo dos Mouros. O dia que fomos o tempo estava nublado então a visibilidade não era das melhores. Espero que consiga um belo dia de sol pra poder apreciar a vista.

As cores doidas do Palácio da Pena. Pra mim parece castelo de parque de diversões
As cores doidas do Palácio da Pena. Pra mim parece castelo de parque de diversões
A sala mais linda do Palácio da Pena foi transformada em Sala de Bilhar depois da morte da rainha
A sala mais linda do Palácio da Pena foi transformada em Sala de Bilhar depois da morte da rainha
Com uma penteadeira dessa no quarto até eu ia gostar de pentear os cabelos
Com uma penteadeira dessa no quarto até eu ia gostar de pentear os cabelos
De dentro do Palácio da Pena é possível ver o Castelo dos Mouros ali ao lado
De dentro do Palácio da Pena é possível ver o Castelo dos Mouros ali ao lado

 

Gostou desse post? Dá um pin nele no Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *