Uma aventura pelas estradas da Namíbia até Sesriem

País desconhecido, na África, estrada de chão e a polícia te para no segundo dia de viagem. Assim começou nossa saga pelas estradas da Namíbia até as maiores dunas do mundo. Nosso trajeto até Sesriem era pra durar em torno de 3 horas e acabou durando quase 6. Passamos alguns perrengues mas depois de chegar a salvo temos bastante história para contar.

Chegamos na Namíbia pela capital. Windhoek. Resolvemos dormir por ali e só pegar a estrada no outro dia, depois de nos abastecer de mantimentos para acampar 2 noites no deserto. Saímos de Windhoek por volta das 11h e logo nos primeiros quilômetros pegamos estrada de chão. No primeiro posto policial cometemos o erro de diminuir a velocidade mas não parar. Erro, erro, erro. Estamos acostumados a fazer isso aqui no Brasil. Parar apenas se o policial mandar. Assim que passamos pela policial ela fez sinal pra voltar. Gelamos!!! Levamos “mijada”.Resumo da história: depois de pedir passaportes, carteira de motorista e de fazer a gente voltar pra ler a placa de pare, que estava parcialmente coberta por um casaco, ela nos deixou seguir viagem. Avisou que a estrada estava lisa por causa da chuva e que era para termos cuidado. Ufa! Foi tenso, mas não foi dessa vez que fomos presos. Aprendemos a lição. Pare sempre que avistar um policial.

Seguimos pela estrada de chão. Retas e mais retas que nunca acabavam. Começou a chover. Isso não nos preocupou muito pois a estrada era boa. Mas é claro que não podia ser tão fácil assim. Em alguns pontos a estrada fica inundada quando chove. No primeiro ponto passamos por uma pequena poça de água. No segundo a quantidade de água começou a aumentar. No terceiro, quando víamos a placa que indicava risco de inundação já começava uma dor de barriga. A gente colocava no 4×4 e passava na fé. Tava tudo tranquilo até a gente chegar em um rio. Não sei de onde vinha tanta água, mas a estrada ficou completamente inundada e a água corria como se fosse um rio mesmo. Ali paramos o carro para analisar a situação. O Diego desceu para ver de perto. A Marion tava pensando em como usar o 4×4. Eu tava querendo dar meia volta e seguir por outro caminho, nem que a gente tivesse que voltar até Windhoek.

Como tinha 2 corajosos no carro a gente arriscou. Foram novos momentos de tensão e alguns palavrões dentro do carro. Passamos! É por isso que eu disse no post anterior, se puder, alugue um 4×4. Depois desse episódio invocamos que uma linha azul no GPS era um rio. O caminho nos faria passar por dentro dele. Esse foi um típico exemplo de sofrer por antecipação. Para nosso alívio o tal “rio” nunca apareceu e não houve nenhum outro ponto tão alagado no caminho. Passamos por algumas vilas bem pequenas, cânions e outras paisagens lindíssimas.

As estradas de terra são boas, mas quando a gente via essa placa dava um medo de ter enchente e não conseguirmos passar.
As estradas de terra são boas, mas quando a gente via essa placa dava um medo de ter enchente e não conseguirmos passar.

Depois de quase 5 horas no caminho finalmente encontramos a última estrada (em melhores condições) que levaria até Sesriem. Nessa hora descobrimos que havia um outro caminho, provavelmente mais fácil. Nosso GPS quis nos trolar e acabou nos enfiando em uma aventura que ficou pra história. Lá no fim da viagem, no último dia, descobri o porquê. Nosso GPS estava programado para EVITAR estradas pavimentadas. Na próxima vez vou olhar antes as configurações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *