Em busca dos Big Five e o que vimos no Kruger National Park

26Aposto que se eu fosse perguntar para as pessoas que vão fazer safari qual o animal que elas gostariam de ver, a resposta da maioria seria um dos big five. Eles são os cinco animais selvagens mais difíceis de serem caçados pelo homem: o leão, o leopardo, o elefante africano, o búfalo africano e o rinoceronte. Fala aí, você também responderia um deles né?

O ameaçado rinoceronte

Tudo num safari depende de sorte. O parque é gigantesco e os animais não ficam presos como em um zoológico. Se era preciso sorte a gente começou no Kruger com o pé direito. Logo nos primeiros minutos no parque nós encontramos uma manada de rinocerontes, inclusive um filhote. Foi alegria de criança quando ganha presente de natal. Esses animais correm sério risco de extinção pois caçadores retiram seus chifres, para vender por milhares de dólares, no mercado negro da Ásia. Eles acham que os chifres tem propriedades medicinais. A preocupação com os rinocerontes é tão grande que os turistas são orientados a não informar onde encontraram esses animais nos livros de informações que ficam na recepção do parque. Essa semana mesmo vi uma notícia de uma operação no Kruger que acabou com dois caçadores mortos. Eles já estavam com dois chifres e se não tivessem sido descobertos iriam em busca de mais.

Dois rinocerontes brancos, um deles quase escondido atrás do arbusto.
Primeiros rinocerontes da vida. Tem um escondido atrás do arbusto.
Um rinoceronte filhote junto com a manada de adultos.
Um bebê rinoceronte é pedir demais?

Nós ainda tivemos a chance de cruzar com rinocerontes por mais 5 vezes. Apenas em uma delas foi com o rinoceronte negro, o mais ameaçado. Na verdade não podemos comprovar que era o negro pois estava noite e ele apareceu e desapareceu rapidamente por entre os arbustos. O guia do safari noturno disse que era e nós tratamos logo de acreditar nele.

DICA: não poste fotos de rinocerontes durante a sua estadia no parque. A maioria dos celulares e câmeras tem serviço de localização e os caçadores ficam atentos a cada foto postada.

Dois rinocerontes quase escondidos na vegetação do Kruger National Park.
Mais uns rinos pelo caminho.

Um elefante não incomoda muita gente

Se você estivesse no trânsito, a caminho do trabalho, e um elefante entrasse na sua frente, certamente seria um problema. Mas no meio do parque nacional Kruger isso é um privilégio. Foi assim o nosso primeiro encontro com esse animal gigante. Eram dois deles, querendo atravessar a estrada por onde a gente estava passando. Claro que fizemos a gentileza de ceder lugar e paramos apenas para assistir ao espetáculo. Mesmo sendo enormes eles se movimentam com delicadeza, parece que estão em câmera lenta.

Elefante com marfins longos usando a tromba para quebrar uma árvore.
Mesmo quebrando uma árvore o elefante parece gentil e delicado.

Também tivemos outros encontros com os elefantes nos outros dias do safari. Todos aqueles que se esconderão de nós na Namíbia resolveram aparecer na África do Sul. Tinha elefante grande, pequeno, com marfim e sem marfim, tinha pra todo gosto. No último dia, em um trecho de aproximadamente dois quilômetros, vimos mais de 20 elefantes. Foi incrível!

Por do sol alaranjado e o perfil de um elefante na savana do Kruger National Park
Que presente!!

O topetudo búfalo africano

Você já viu um búfalo na TV ou ao vivo? A gente acha engraçado aquele chifre. Parece uma cabelo repartido ao meio formando dois topetes. Mas apesar da cara engraçada, os búfalos são um dos animais mais perigosos da África, ainda mais quando reunidos em manada.

A gente queria ter visto essa reunião, mas acabou encontrando apenas búfalos em dupla. Todas as vezes que os vimos eram dois animais. Provavelmente já estavam velhos e tinham se separado da manada para “curtir a aposentadoria”. Num dos encontros, cada um dos dois animais estava deitado em um dos lados da estrada. A gente parou o carro no meio deles. Eu comecei a falar com o que estava perto de mim, ele apenas me olhou sem muita reação. Acho que o temperamento agressivo ficou na juventude.

Búfalo deitado na areia. O chifre é repartido e parecem dois topetes no cabelo.
Olhem para esse búfalo e me digam se não parece um cabelo repartido ao meio?
Búfalo deitado ao lado da estrada com metade do corpo escondido pela vegetação.
Quase cara a cara com um búfalo. Ele nem me deu moral.

Esse foi o nosso segundo safari. Pra ver como foi o primeiro, no parque Etosha na Namíbia, clica aqui.

Cadê o leopardo?

Os leopardos geralmente andam sozinhos e gostam de descansar nos galhos das árvores. Sabendo disso nós olhamos árvore por árvore e galho por galho de todos os lugares por onde passamos. Nada dos bichos aparecerem.

Em um determinado momento vimos uma agitação perto de um campo e perguntamos ao guia de um dos carros o que estava acontecendo. Ele hesitou um pouco mas acabou nos dizendo que alguns turistas haviam visto um leopardo por ali. Paramos para observar. Duas gazelas que estavam pastando começaram a correr e em seguida pararam, olhando fixamente para um ponto, quase imóveis. Elas ficaram assim por um bom tempo e pensamos que isso poderia ser sinal de que o leopardo estava por perto. Ficamos uns vinte minutos monitorando o local e nada aconteceu. Acabamos desistindo. Ver um leopardo teve que ficar para o próximo safari.

Vegetação seca e ao fundo uma gazela olhando para trás, imóvel.
A gazela parecia amedrontada e a gente tava torcendo pra que um leopardo aparecesse.

O rei leão

Se houver uma aglomeração de carros em algum lugar pare também. É bem possível que tenha algum animal sendo observado. A gente parou numa dessas aglomerações e eu não estava vendo nada até que o Diego falou que eram leões. Eu não acreditei até enxergá-los. Era o animal que eu mais queria ver e agora eles estavam ali, a alguns metros da gente. Alegria pura!! Não era assim muito perto, mas com binóculos a gente podia ver direitinho. Era um bando dormindo. A gente ficou em dúvida de quantos eram no total porque a cada momento a gente descobria mais um deitado na vegetação. Pelos meus cálculos eram dois machos, seis fêmeas e dois filhotes. Devo ter tirado umas cem fotos, tamanha a empolgação.

Leoa deitada mas com cabeça erguida com se estivesse em guarda.
Começando o book dos leões.
Leões deitados meio escondidos entre a vegetação.
Quantos leões você vê aqui?
Leoa de barriga pra cima com cara de quem acabou de acordar..
Alguém aí falou comigo?
Leão macho com as patas para cima como se estivesse se espreguiçando.
Uma espreguiçadinha sempre é bom.

Pra nossa alegria ficar completa, no mesmo dia, encontramos mais leões durante o safari noturno. Dessa vez estavam mais perto, uns vinte metros de distância. Foi um encontro inesquecível e ao mesmo tempo intimidador. Eu tinha a impressão que eles estavam nos encarando e que não hesitariam em atacar. O caminhão do safari é todo aberto, talvez tenha sido esse o motivo de eu me sentir tão vulnerável. Mas os leões não fizeram nada. Na verdade cansaram de ser o centro das atenções e resolveram deitar mais longe.

Leão jovem deitado com juba começando a nascer.
Não tenho palavras.
Leão mais velho atrás de uma árvore.
Eles não são lindos?
Leoa olhando para a foto atrás de alguns galhos
Eu não queria mais sair dali.
Leoa encarando a câmera com ar de superior, deitada de lado com a cabeça erguida.
O que você faria com uma encarada dessas? Eu fiquei intimidada.

Nossos dois encontros com leões nos renderam uma história no mínimo inusitada. Prometo que conto no próximo post.

E os outro animais?

É claro que num parque tão imenso quanto o Kruger a gente viu uma diversidade enorme de animais, mas não dá pra descrever cada encontro aqui senão esse post nunca terá fim. Pra não deixar esses bichinhos de fora, fizemos uma seleção com as melhores fotos dos quatro dias de safari. Espero que gostem.

Impala sozinha sob a luz do sol, com chifres retorcidos.
A gente sempre confunde Impalas e Gazelas, mas tenho quase certeza que essa aí é uma Impala.
Pássaro com cabeça preta e penas azuis, pretas e roxas que brilham com a luz do sol.
Vai dizer que o estorninho de burchell não é lindíssimo?
Duas hienas iluminadas pela luz de uma lanterna durante um safari noturno.
Hienas, elas riem mesmo. E tem um outro som bem característico. A gente vivia imitando elas.
Um cachorro do mato iluminado por lanterna na vegetação
O cachorro do mato, ou mabeco, é bem difícil de encontrar. Tivemos a sorte de ver vários deles, e brigando uns com os outros.
Cinco girafas ao longe comendo folhas de árvores espinhosas.
As pescoçudas mais lindas do Kruger.
Passarinho com bico de tucano, penas pretas e brancas mescladas e cara de louco.
Esse passarinho é super engraçado. Ele está sempre no chão e fica correndo de um lado para o outro. Seu nome é Tockus Leucomelas.
Céu totalmente em tons de vermelho, uma árvore ao meio com vegetação até metade do tronco e um enorme sol amarelo do lado direito, um pouco atrás da árvore.
Por do sol mais lindo de todos. Que sol é esse minha gente?
Antílope pequeno deitado na vegetação. Sua cara é marron com uma mancha preta entre os olhos e tem dois pequenos chifres retos e pretos.
Esse é um antílope que quase não se vê, o xipene.
Apenas a cara de uma fêmea kudu
Fêmea Kudu
Macho kudu com os chifres em forma de saca rolhas. Tem um risco branco abaixo dos olhos e a parte interna das orelhas é rosa.
Macho kudu. Qual vocês acharam mais bonito?
Um javali africano com dentes que saem pra fora da boca e uma pelagem bem rala e branca
Temos pumba por aqui também.
Girafa amamentando filhote em pé.
Hora do leitinho.
Cabeça de uma zebra atrás de folhagem verdinha iluminada pelo sol.
Nunca saberemos qual a verdade sobre as listras.
Uma águia real com o pé levantado.
Fazendo pose.
Antílope orelhudo com nariz preto em formato de coração.
Olha que amor esse nariz de coração do Inhacoso.
Dois mangustos ao sol. Eles são pequenos animais com corpo alongado e rabo maior ainda.
Também tem animais pequenos no Kuger National Park, esses são os mangustos.
Um gnu com os chifres em forma de C durante um passeio ao amanhecer.
Um representante dos desengonçados gnus.
Uma hiena bela e formosa nas primeiras horas do dia.
Uma hiena bela e formosa nas primeiras horas do dia. Ver hienas durante o dia é bem mais difícil.
Bando de antílopes muito comuns no Kruger.
Essa galera aí aparece em cada esquina.
Passarinho pequeno em cima de um galho. Tem a cabeça branca, costas marrom claro, peito lilás e asas em tons de azul.
Esse passarinho é o meu preferido, o Rolieiro de peito lilás.
Macaco de pelagem branca e cara preta nos olhando por entre as folhas.
Esse macaquinho é da espécie Green Vervet e estava nos espionando por entre as folhas.
Vários hipopótamos tomando sol. Dois deles estão com os focinhos virados um para o outro.
Hipopótamos são perigosos, mas quando você os vê assim até esquece disso.
Um pássaro com pernas longas e penas marrons e brancas anda sobre as vitória régias na água.
Andando sobre as águas.
Um curioso bebê babuíno no colo da mamãe.
Pequeno animal com cara de raposa e longo rabo listrado no galho de uma árvore durante a noite.
A Gineta também só pode ser vista a noite.
Uma coruja iluminada pela luz da lanterna, com olhos amarelos e orelhas em pé.
As saídas noturnas proporcionam a observação de animais que você não veria de dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *